Zaady

“Estou com medo”, diz repórter xingada de “macaca” por servidor no Rio de Janeiro

Era para ser só mais um dia normal de trabalho para uma equipe de reportagem da CNT. Mas tudo resultou em um episódio de agressão à imprensa, racismo e também gordofobia. O caso ocorreu no final de setembro com a repórter Julie Alves e o cinegrafista Vângelis Floyd enquanto faziam uma reportagem para o programa ‘Fala Baixada’, próximo a um posto de saúde em Japeri, na Baixada Fluminense. Segundo a jornalista, a pauta era sobre os problemas em um lixão do local.

Durante as filmagens, Julie quis falar com o responsável pelo posto sobre o assunto. Foi quando um homem apareceu e quis impedir a gravação. Mais tarde, ela descobriu que era o diretor do posto de saúde, Clodoaldo Silva de Souza, conhecido como Dudu. O funcionário começou a xingar e acuar os profissionais, enquanto Julie pedia para continuar gravando. O homem então disse “Pode gravar o quê, sua macaca? Vai gravar, seu gordão?”, se referindo à repórter e ao cinegrafista. “Ele estava tão agressivo que pensei que fosse dar um soco na minha cara. Ele veio dar um tapa e eu coloquei o microfone [na frente], que caiu no chão”, explicou Julie.

Por causa de toda confusão, repórter e cinegrafista passaram mal, com pressão alta. Também fizeram um boletim de ocorrência contra o funcionário da prefeitura, que foi exonerado e irá responder legalmente pelos atos. O caso ganhou bastante repercussão na imprensa e Julie contou que ainda está bastante abalada. “Por mais que eu queira acreditar na Justiça, penso se ele será punido por isso. Fica uma tristeza muito grande, uma mágoa. É bem difícil passar por uma situação dessa e ter o psicológico restaurado de uma semana para outra. Porque ele veio para me agredir, né?”, relembrou.

Enquanto se recupera, o medo ainda acompanha a mesma, que tem dois filhos e também teme pelos familiares. “Estou com medo. Às vezes, ainda sonho com a cena. Ontem, fui gravar e quando vi a placa de Japeri, já me deu um pânico”, relatou. Preocupado, o marido da jornalista cogitou que ela parasse de trabalhar. “Eu amo o que faço e não posso deixar de trabalhar, mas a preocupação continua”, comentou. Julie ainda destacou que o apoio de diversos colegas da imprensa tem ajudado. “Tem sido um carinho tão gostoso! Não imaginava que eu fosse tão querida. Isso tem acontecido com outras pessoas, então essa união e esse afeto me trouxeram um afago”, desabafou.

Por redação

Siga o Portal Zaady nas redes sociais:

Instagram

Facebook 

You Tube