Zaady

Bolsonaro vai à justiça contra a TV Globo e exige direito de resposta no Jornal Nacional, entenda o caso

O presidente Jair Bolsonaro cumpriu a promessa que fez em uma live no último dia 13 e entrou com uma ação judicial contra a TV Globo. Ele exige um espaço para direito de resposta no Jornal Nacional. Há três semanas, quando o país atingiu a marca de 100 mil mortes pela Covid-19, o noticiário apresentado por William Bonner e Renata Vasconcellos fez um editorial em tom crítico às ações do governo federal durante a pandemia do novo coronavírus.

Nesta sexta-feira, 28, a coluna Radar, da revista Veja, antecipou que a Advocacia-Geral da União protocolou uma petição no Tribunal Regional Federal da 2ª Região, no Rio de Janeiro, pedindo um espaço para direito de resposta. O governo fez um pedido extrajudicial antes da ação, mas não houve acordo.

Em sua live semanal, há duas semanas, sem citar o Jornal Nacional nominalmente, Bolsonaro disse que o telejornal da Globo o acusou de ser genocida.

“Vamos tentar a responsabilização e o esclarecimento da verdade no tocante a essa matéria, porque não dá para a gente não se defender disso. Uma acusação de genocida para cima de mim no horário nobre, ou que eu sou o responsável e que deveria cumprir a Constituição”, reclamou ele.

O presidente ainda citou uma das perguntas feitas por William Bonner durante o editorial. “Será que o presidente está cumprindo a Constituição?”, e continuou: “Com tudo o que nós fizemos? Quase R$ 700 bilhões [investidos], de uma forma ou outra, pra combater o vírus e evitar o desemprego”, afirmou ele.

A defesa d presidente alega na Justiça que o editorial tem “indevidas ilações sobre uma suposta omissão deliberada por parte do Governo Federal, no contexto de combate à pandemia do gerada pelo Covid-19”. De acordo com a Veja, a A AGU quer a divulgação da resposta, com a leitura do texto durante a edição do Jornal Nacional logo após a intimação da emissora.

Procurada por nossa reportagem, a Globo afirmou por meio de nota que o JN não acusou o presidente pelas mais de 100 mil mortes, e que apenas listou alguns acontecimentos para que o telespectador refletisse sobre as atitudes das autoridades.

“O editorial do Jornal Nacional não acusou o presidente pelas mais de 100 mil mortes da pandemia de coronavírus. Apenas listou fatos ocorridos durante a pandemia e convidou o telespectador a uma reflexão sobre que autoridades (presidente) cumpriram seu dever constitucional de zelar pela saúde da população. Na mesma edição, foi divulgada nota da Secom defendendo as ações do governo federal no combate à pandemia”, se defendeu a emissora em comunicado.

POR REDAÇÃO

Siga o Portal Zaady nas redes sociais:

INSTAGRAM

FACEBOOK 

YOU TUBE