Zaady

Morre, aos 79 anos, o ex-governador de Sergipe João Alves Filho

Faleceu no fim da noite desta terça-feira, 24, o ex-governador de Sergipe João Alves Filho, aos 79 anos. Ele estava internado em estado grave desde a semana passada no Hospital Sírio Libanês, em Brasília, após sofrer uma parada cardíaca em casa no dia 18. A informação foi confirmada pelos familiares.

João Alves recebeu os primeiros atendimentos ainda no apartamento, onde morava com a esposa e senadora Maria do Carmo Alves (DEM), e já recebia cuidados intensivos, por estar com um quadro muito avançado de Alzheimer. No último sábado, 22, ele foi diagnosticado com Covid-19. Em seguida, a família disse que o quadro de saúde era “clinicamente irreversível”, e que ele estava com as funções renais paralisadas e sedado, respirando com ajuda de aparelhos.

O corpo do político será cremado no Cemitério Jardim Metropolitano, em Valparaíso de Goiás, a 40 minutos de Brasília. Além da esposa, ele deixa também três filhos e quatro netos.

João Alves Filho nasceu no dia 3 de julho de 1941, em Aracaju. Engenheiro civil, o mesmo iniciou a trajetória política aos 20 anos, quando estudava na Universidade Federal da Bahia (UFBA) e foi membro da Juventude Universitária Católica (JUC).

De volta a Sergipe, trabalhou com o pai em uma construtora da família. Assumiu a Prefeitura de Aracaju (1975-1979) como prefeito biônico, de forma indireta, apoiando a Ditadura Militar, durante o governo de José Rollemberg Leite no estado. Foi ministro do Interior do Brasil, entre os anos de 1987 a 1990. Governou o estado de Sergipe por três mandatos [1983 a 1986, 1991 a 1994 e 2003 a 2006]. Em 2012, foi eleito prefeito de Aracaju, exercendo a função de 2013 a 2016.

A formação em engenharia civil contribuiu para que obras monumentais fossem realizadas durante a sua administração pública. No governo do estado, construiu a Orla da Atalaia e a ponte Aracaju/Barra dos Coqueiros. Na prefeitura, revitalizou o Calçadão da Praia Formosa, na Treze de Julho.

João Alves também publicou vários livros, a maioria sobre causas ambientais, e desde 1993 era membro da Academia Sergipana de letras. Durante sua carreira, ele foi reconhecido por ser um grande defensor da região Nordeste, e lutar contra a transposição do Rio São Francisco, tema de seu último livro. Na luta pelos sertanejos, ficou popularmente conhecido como ‘João Chapéu de Couro’.

Por redação

Siga o Portal Zaady nas redes sociais:

Instagram

Facebook 

You Tube